VITIMIZAÇÃO O CARRASCO DA AUTOESTIMA E ALGOZ DA ESPERANÇA



Raphael Samuel um indiano de 27 anos, orientado pelo movimento “antinatalismo” está entrando na justiça contra seus pais para que estes arquem com os custos de sua vida enquanto viver uma vez que não pediu para nascer. Rafael se sente vítima do abuso autoritário de seus pais que o geraram sem seu consentimento.

O estilo de vida moderno influenciado pelo "politicamente correto” tem contribuído com um estado de consciência que permite as pessoas a sentirem-se como vítimas até no que diz respeito as condições e aos processos naturais da vida, os quais muitas vezes exigirão de nós espírito e capacidade de superação.

Estamos vivendo a moda da vitimização como forma de justificar fracassos, erros cometidos, negligencias e omissões e até crimes. A idéia que passa é que a condição de vítima parece oferecer um salvo conduto para se cometer transgressões, para reivindicar e exigir direitos exclusivos e de poder transferir a culpa dos erros e falhas, para o outro, isto é para Deus, os pais, o cônjuge, o patrão, a sociedade, a igreja e o mundo.

Está condição tem seus efeitos colaterais. Ela é atrofiante e degenerativa. Ao aceitar o papel incondicional de vítima a pessoa compromete sua autoestima, o orgulho próprio, sua dignidade, criatividade e sua proatividade deixando assim de ser protagonista na história de sua vida para ser um “pobre coitado”. Além disto esta infeliz condição mental deixa a pessoa vulnerável a doenças psicossomáticas, ao esgotamento, a depressão, a ponto de pensar em desistir da própria vida.

A onda da vitimização tem contagiado compulsoriamente alguns seguimentos da sociedade, tais como: os pobres, os negros, índios, a mulher, os professores e até pastores. A militância que se faz em favor destes, condenam ainda mais os membros de tais seguimentos a se sentirem eternas vítimas.

A bíblia reconhece que nem sempre estaremos em vantagem, e que em certas condições podemos ser vítimas da injustiça e tirania dos homens, mas que isto não nos isenta da respondermos pelos nossos erros e omissões. “Se te mostras fraco no dia da angústia, a tua força é pequena." (Pro.24.10)"

No Céu ficaremos surpresos de ouvir o testemunho de homens e mulheres vítimas da maldade e da injustiça humana, mas que se recusaram a deitar na cama do comodismo e de se envolverem nas cobertas quentes da vitimização, mas que, ao contrário, foram à luta. Entre estes estará o grande líder Moisés, o filho doado pelos pais aos egípcios e que se tornou um dos maiores heróis da história. José, o jovem hebreu desprezado e vendido pelos irmãos e que veio a se tornar o segundo maior homem de todo império egípcio; Corrie Tem Boom que viu sua família ser dizimada nos campos de concentração Nazista e se tornou um ícone de fé, esperança e perseverança para o mundo Cristão; Elizabete Eliote que voltou ao campo missionário na Amazônia Equatoriana para dar continuidade ao trabalho de seu esposo morto pelas flechas dos índios, quais tentava evangelizar. Sobretudo ouviremos a história do Homem de dores, que foi humilhado, rejeitado, perseguido e cruelmente morto. As feridas e açoites que recebeu, ele os creditou na conta do sacrifício de cumprir a missão recebida do Pai. No final, depois de sua morte e ressureição, Ele não apareceu como mártir para reunir um exército a fim de lamentar sua morte e vindicar vingança. Mas levado a glória recebeu do Pai um nome que está acima de todo nome diante do qual todo joelho se dobrará e toda língua confessará que Jesus Cristo é o Senhor. Em Cristo meu irmão e irmã, você não é um coitadinho, uma pobre vítima do sistema. Rompa com esta ideia e vá à luta como todos devem fazer, e conquiste seus direitos de forma legítima, honesta e justa. Lembre-se você é filho de Deus, você é mais que vencedor.


Bispo Roberto Amaral