DIÁLOGO ENTRE GERAÇÕES



O livro de Deuteronômio contém os registros dos discursos de Moisés para a nova geração dos filhos de Israel formada durante a caminhada pelo deserto que durara quarenta anos. Os longos discursos de Moisés foram ouvidos com atenção pela nova geração. Este fato me chamou a atenção. Vi aqui em Moisés, uma geração falando a outra geração. Penso que este fato precisa se repetir em nossos dias. Vamos pensar sobre isso?


Nas campinas de Moabe, a margem oriental do Jordão, Moisés pronuncia o primeiro de uma série de discursos registrado no livro de Deuteronômio. Em seus discursos Moisés narra a nova geração a história do Êxodo contendo momentos de glórias e fracassos, com o propósito de situá-la sobre a razão e o objetivo de estarem ali, prestes a entrar na terra prometida. Moisés faz uma recapitulação dos mandamentos, das leis, dos pronunciamentos divinos proferidos ao longo da jornada. A Bíblia diz que uma geração deve testemunhar a outra geração (Sal.145.4), isto porque deve haver continuidade no desenvolvimento da obra de Deus. A nova geração não deve desprezar os feitos e experiência vividas pela velha geração, adotando a postura de quem começa do zero. E a velha geração não deve desprezar a capacidade e experiências da nova geração. Moisés sabia que era aquela geração quem iria concluir a missão de possuir a terra da promessa. Ao invés de alimentar conflitos, Moisés investe na nova geração e cria uma ponte para conectá-la a história, aos ideais e ao propósito que deu origem a formação de uma nação chamada Israel. Como líderes devemos ter a mesma iniciativa de Moisés ao invés de alimentarmos a fogueira do saudosismo conservador defendido pela velha geração ou liberalismo reivindicado pela nova geração. Uma geração não pode ser inimiga, concorrente da geração seguinte e vice-versa. As gerações devem dialogar e mutuamente se ajudarem. A tarefa confiada a igreja de Cristo demanda a participação de várias gerações. Assim como fez Moisés, uma geração deve preparar outra geração para levar adiante os eternos propósitos de Deus. Para esta tarefa é imprescindível a participação dos pais, dos pastores, dos professores, enfim... O amor e o cuidado dispensado aos jovens pelos mais velhos e o respeito e carinho dos jovens para com os mais velhos é resultado da educação. Moisés cativou a atenção da nova geração porque tinha autoridade para falar e porque falou para um público ensinado a ouvir. Desde pequena, em Israel, as pessoas eram ensinadas a ouvir. Todo tempo estavam ouvindo a expressão: Ouve, Israel ... (1) Se não desenvolvermos uma comunicação eficiente e eficaz entre gerações estaremos condenados a permanecer perto da terra prometida, contudo impedidos de entrar nela. Sinto que estamos tão perto de ver o Brasil transformado; alimentamos o sentimento de estarmos perto de concluirmos nossa missão como Igreja no mundo. Ficar perto da linha de chegada ou no meio do caminho, não faz diferença, o fracasso é o mesmo. Uma geração precisa contar a outra geração os feitos do Senhor e as maravilhas que fez. Pois, tudo pode mudar mas o Senhor é o mesmo de geração a geração. Assim cremos!



Bispo Roberto Amaral


(1) A expressão ouve ó Israel (Shamá Israel) principia os mandamentos da lei de Deus e são consideradas um imperativo inquestionável. Ouve, Israel, o SENHOR, nosso Deus, é o único SENHOR. Amarás, pois, o SENHOR, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de toda a tua força. (Dt.6.4) A Nação de Israel fora vocacionada para ouvir Deus.


© 2023 por Amante de Livros. Orgulhosamente criado com Wix.com

  • Facebook B&W
  • Twitter B&W
  • Google+ B&W