ALTIVEZ DE ESPÍRITO PRECEDE A QUEDA




A escalada aos diferentes patamares ou nível de poder é motivada, via de regra, por uma realização pessoal. Nesta escalada, quase sempre, vale tudo. Dissimulação, deslealdade, falsidade, mentira, difamação, suborno etc. Dentre as estratégias mais comuns se encontra a tática de desconstruir a reputação daqueles que representam ameaça ao projeto de poder. O rei Acabe que reinou em Israel no tempo do profeta Elias, diga-se de passagem, não é uma boa referência para quem deseja primar pela ética e pelos valores morais que definem uma vida adornada pela nobreza. Mas em um raro momento de sensatez ele respondeu ao seu oponente, o rei, o monarca Siro, que arrogantemente prometia derrotar de forma humilhante o seu exército. Às palavras arrogantes de Ben-Hadade, Acabe respondeu: “Não se gabe que se cinge como aquele que glorioso se descinge.” Segundo estudiosos a declaração de acabe era um ditado popular muito corrente naqueles dias que, em outras palavras, queria dizer: “um verdadeiro soldado se gaba depois da batalha terminada e não antes.” No afã de conquistar um lugar ocupado por outro, na perigosa escalada ao cume do poder, muitas pessoas cometem este erro crasso. Se arvoram em proclamar, direta ou indiretamente e usando diferentes linguagens, que são capazes de fazer melhor do que quem está fazendo ou de que quem está no exercício da liderança. Um gladiador era orientado a entrar na arena revestido do espírito de humildade, pois a imagem ostentada depois da luta revelava que a cruenta batalha na arena não respeitava fama, reputação ou arrogo de sujeitos verdoengos ou imaturos. Por isso, dificilmente um lutador diria: eu posso fazer melhor. Não se gabe que se cinge como aquele que glorioso se descinge. Um experiente professor de homilética contava que um jovem pregador depois de ouvir o mensageiro que o precedera, afirmou: “Aguardem, daqui a pouco será minha vez, aí vocês vão ver o que é pregar.” Mais tarde, depois de proferir sua prédica, percebendo que não fora tão bem como pensara que seria, desceu do púlpito humilhado e cabisbaixo. Ao assentar-se na cadeira do auditório, um amigo bateu em seu ombro e lhe sussurrou aos ouvidos: “Pois é, amigo! Se você tivesse subido como desceu, teria decido como subiu.” É fácil criticar um líder em exercício; tirar vantagens de suas falhas é mais fácil ainda. Porém, as marcas, o desgaste causado pelo peso da função, das críticas, das injustiças, da pressão inerente aos momentos e as circunstâncias, deveria ser levado em consideração e encarado com humildade e respeito. No reino de Deus, quanto mais alta é a posição, mais serviço, mais sacrifício, mais humildade e mais dedicação são esperados dos pretendentes aos postos proeminentes. É por isso que, a luz da Bíblia, os que ocupam tais posições, com frequência, são considerados servos. Não se gabe que se cinge como aquele que glorioso ou humilhado se descinge. Espere a luta começar e deixe para se gabar quando esta terminar, pois, certamente hás de reformular seus conceitos. Lembre-se do conhecido provérbio bíblico: A soberba precede a ruína, e a altivez do espírito, a queda. (Pv1.18) Assim cremos.